Android – Demasiado Grande Para Acabar?

-

Android Game Over

Google comprou Motorola – e agora? Será esta uma aspirina para combater um vírus? Provavelmente. Cult Of Mac explica de forma sucinta o problema com Android.

As empresas que distribuem Android, como sistema de operativo, tem que necessariamente fazer alterações ao código base que é por si open source. E é aqui que reside o grande problema. É que desde a versão 2.3 que Google escolheu não tornar o código público.

Android foi programado com o código de Linux que existe com uma licença de GPL. GPL exige que qualquer utilização e alteração efectuada seja revelada a todos. No passado, Google respeitou sempre a licença GPL mas desde que Honeycomb foi lançado que o código tornou-se indisponível para outros que não aqueles que façam parte da família nova corporativa do Android – uma violação grave do principio de open source e algo que até agora tem se discutido mais nos tribunais que na praça pública – a Internet – o que por si é estranho.

Um relatório da FOSS Patents classifica este ato como “muito sério” citando as seguintes razões:

  • rampant non-compliance with the source code disclosure requirement of the GPLv2 (the license under which Linux is published) — especially but not only in connection with Honeycomb — has technically resulted in a loss of most vendors’ right to distribute Linux;
  • this loss of the distribution license is irremediable except through a new license from each and every contributor to the Linux kernel, without which Android can’t run; and
  • as a result, there are thousands of people out there who could legally shake down Android device makers, threatening to obtain Apple-style injunctions unless their demands for a new license grant are met.

Aparentemente, a única forma (impossível) de rectificar esta situação é de contactar os milhares de programadores para pedir a sua autorização. Mas existe outra forma de rectificar esta situação – alterar o código.

E poderá esta ser a estratégia de Google – utilizar este período de ações para alterar o código? Seja como for, ninguém ainda conseguiu perceber o que irá acontecer a Android – será este grande de mais para falhar? As consequências seriam enormes.

Difícil de imaginar que as principais marcas de tecnologia do mundo estariam despostas arriscar tanto. E colocarem-se assim na mão da Apple? Mas caso o improvável acontecer – Android acabar – todos perdem. Apple necessita de concorrência. O consumidor necessita de alternativas. O mercado exige mais de uma solução.

Só podemos concluir que a Google está a utilizar a mesma estratégia que YouTube utilizou – tornar-se demasiado grande para travar, obrigando aqueles cujo os seus direitos foram violados (editoras discográficas neste caso), chegarem a um acordo que para todos os efeitos esquece o passado. O inicio do YouTube foi marcado por uma pirataria consciente reminiscente de outros sites de P2P que não tiveram a mesma sorte. É de salientar que os valores pagos por Google como compensação foram um pequeno gesto de silenciar aqueles mais vocais contra o serviço e falta de respeito pela legislação em rigor. Presentemente, muitos já esqueceram e YouTube goza agora de inúmeros acordos.

Mas a comunidade open source não é corporativa – não tem os mesmos interesses nem tem tanto a ganhar.

Avatar of Nuno Machado Lopes

Serial Entrepreneur, fundador do TudoMudou.com, Docente e orador em Social Media. Investe de igual forma em projetos com base na excelência do serviço, tal como o Silk Club. Procura novos desafios.

Leave a Reply