in Design, Tecnologia

Não sou grande seguidor da industria de automóveis mas de vez em quando aparece algo que me surpreende. O novo híbrido da Fisker, para mim, exemplifica o ponto de convergência da tecnologia com a engenharia.

Somos muitos que provavelmente nunca ouvimos falar da Fisker Automotive, uma empresa formada em 2007 com $1.22 biliões de USD em fundos que inclui um empréstimo do governo dos Estados Unidos de $529 milhões de USD. Este empréstimo do governo foi muito criticado dado que se incluiu em fundos que geraram uma grande polemica em torno de uma empresa de energia solar, Solyndra, que recebeu $535 milhões de USD e dois anos depois abriu falência.

Antes de continuar, gostaria só de referir que o único aspecto negativo do Karma, primeiro automóvel da empresa Fisker, é o nome que vêm do seu CEO Henrik Fisker – designer do Aston Martin DB9.

Imagine um carro com um tecto de painéis solares que ajuda a aumentar o seu alcance; que lhe dá feedback em tempo real sobre o impacto da sua condução no consumo do veiculo; com uma condução suave; que não necessita de gasolina mas pode a utilizar se for necessário e que necessita de um ruído artificial para alertar os pedestres da sua presença.

Henrik Fisker acredita que existem inúmeros veículos que lhe levam de A a B com um valor de compra entre $10 e $12 mil USD (os veículos são muito mais baratos nos Estados Unidos) mas que acima dos $12 mil USD a emoção passa a ser um factor importante a considerar quando o consumidor decide comprar acima desse valor.

O Karma é o primeiro veiculo que a Fisker vai produzir na Finlândia, antes de lançar o Nina que será o veiculo para as massas. Com um preço de $96 a $108 mil USD, o Karma é claramente um veiculo de luxo que já  está a ser colocado em stands nos Estados Unidos através da sua rede de 45 concessionários. O veiculo está esgotado até Fevereiro de 2012. O seu objectivo é de ter o mínimo de carros em stock. O facto do Karma não ser um veiculo puramente elétrico faz com que o mesmo seja competitivo com qualquer outro carro ao mesmo nível.

Fisker não quis entrar no segmento puramente elétrico dado as implicações e a falta de interesse que existe neste momento. O consumidor está à espera que este segmento cresça bem como a disponibilidade de locais de carga. Fisker refere que o Karma está num mindset de responsible luxury – para aqueles que querem luxo mas que também “se preocupam” com o ambiente.

Em contrasto, o Nina, conhecido só por nome dado o secretismo todo em torno do futuro modelo que irá chegar ao mercado em 2013, será construído numa antiga fábrica da GM em Delaware.

Henrik Fiker fala do iPhone como um game changer e acredita que o Karma vai ter o mesmo tipo de impacto – nova tecnologia com um lindo design. Henrik acredita que está de facto a redesenhar o futuro de veículos.

 

Write a Comment

Comment