in Lab, Windows Phone

Windows Phone

Já fui acusado várias vezes de ser um Apple Fan Boy, algo que acho sempre curioso pois quando se utiliza este termo, Fan Boy, normalmente é a melhor forma de acabar com uma conversa construtiva.

Na realidade tenho um MacBook Pro, iPhone 4 e um iPad. Comprei o meu primeiro iPhone nos Estados unidos após o lançamento, quando ainda não existia em Portugal. Claro, fui atrás da novidade. Mas o que aconteceu foi que apaixonei-me pela sua simplicidade. O restante já nós sabemos se analisarmos a alteração de design e usabilidade dos smartphones desde o lançamento do primeiro iPhone em 2007.

Sempre fui um utilizador de PC, investindo no Vaio desde que a marca lançou aquele ecrã lindo – algo inédito na altura. Depois mudei de Vaio cada dois anos que passava. Foi uma necessidade pois rapidamente o modelo que eu tinha (topo de gama) ficava lento e em vez de me ajudar, só me dava dores de cabeça.

Até um dia que me passei, fui ao site da Apple, vi dois vídeos que demonstram a facilidade de transição de PC para Mac, e fui fazer uma compra emotiva. E três anos depois ainda tenho o meu MacBook Pro e o único outro modelo que me seduz neste momento é o MacBook Air. Mas não sinto necessidade de mudar.

Mas então porque trocar o meu iPhone 4 por um Windows Phone? Na realidade não é uma troca definitiva, é uma experiência que vou partilhar convosco. Em vez de escrever um review sobre as caracterisiticas do Windows Phone, escolhi viver com um, desligando o meu iPhone. Sinto que se andar com os dois, nunca poderei dar uma opinião justa sobre este sistema operativo.

Alguns pressupostos sobre esta experiência:

  1. Fui eu que contactei a Microsoft em Portugal e sugeri a experiência
  2. A Microsoft concordou e cedeu-me um HTC Windows Phone
  3. Ao fim de duas semanas, vou devolver o HTC à Microsoft
  4. A Microsoft não está a pagar-me nem a oferecer qualquer incentivo para esta série de artigos – a ideia foi minha
  5. A Microsoft não pediu nem tem qualquer controlo editorial – vai ler quando for publicado
  6. Não recebi explicações nem instruções da pessoa responsável – aliás as únicas duas coisas que ainda deixei explicarem foi que podia ligar à minha conta Xbox e Hotmail mas a conversa ficou por ai
  7. Não me estou a candidatar a ser embaixador da Microsoft – viram o que eu utilizo? Pois

O objectivo desta experiência é de vos dar uma opinião de alguém que tem utilizado um iPhone durante os últimos anos. Não existe melhor forma de testar um sistema operativo que acredito ser o único que possa verdadeiramente concorrer a todos os níveis com a Apple. Todos os níveis quer dizer PC, laptop, tablet e smartphone – uma experiência única e integrada.

Porque não fiz com Android? Esta experiência prende-se com o facto de eu acreditar que a aposta da Microsoft pode ser game changing e com um enorme potencial. Mas não compreendo porque se tem falado tão pouco sobre o Windows Phone em Portugal, além dos reviews que normalmente são acompanhados pelas especificações técnicas.

Curioso foi a Microsoft não me dar um smartphone topo de gama, mas provavelmente até foi uma boa opção, pois eu pedi especificamente para experimentar o sistema operativo e esta versão HTC cumpre o que procuro, e ajuda-me a concentrar no sistema operativo.

Agora tenho que planear a minha mudança pois como só vou ter o Windows Phone, quero ter a certeza que está tudo lá que necessito para o meu dia-a-dia.

Se encontrasse o vídeo para me ajudar a passar de iOS para Windows Phone – isso é que era.

Disclaimer: Fui contratado em 2010 para fazer um keynote num Forum organizado pela Microsoft.

Write a Comment

Comment

Webmentions

  • Windows Phone – o Veredicto Final |

    […] – Hoje Substitui o Meu iPhone 4 Por Um Windows Phone, Após 5 Anos de iOS […]

  • Com Tempo Vamos Todos Chegar à Conclusão Que o Windows Phone Foi Uma Jogada Inteligente |

    […] stLight.options({publisher:'31b399fd-182d-45ed-ad25-3c335d3c1ca6'});emailprintAntes de decidir fazer uma experiência com o Windows Phone, já me irritava os reviews que faziam ao sistema operativo, muitas vezes criticando aspectos […]