in Social Media

Cortar Despesas

Lembram-se quando em 2010 foi criada a página online www.CortarDepesas.com, para recolher ideias brilhantes da parte do público para diminuir a despesa? Morreu.

Nesta fase ainda estávamos convictos que iríamos conseguir cortar as despesas que, como muitos dos outros países da Europa, fez-nos aumentar largamente, o nosso deficit. Mas mesmo que a utilização de crowdsourcing validasse o facto que alguém no gabinete de estudos sociais estivesse a par das novas tendências, o que aconteceu depois, demonstra que afinal não foi nada mais que uma outra campanha.

Um dos principais problemas na adopção de social media é que quem a gere parece não conseguir ir além da ideia que esta não é, mais uma forma de criar uma campanha. Para integrar social media, necessita-se de um mindset diferente, um que reconheça que esta jornada não vai ter fim. É uma porta aberta que não deve ser mais tarde fechada, salvo circunstâncias que tornam este esforço numa força negativa sem possível resolução a curto prazo – EDP Decide Suspender A Sua Página No Facebook e Faz Muito Bem.

Quando a página CortarDepesas.com foi lançada, José Manuel Canavarro, teve o seguinte a dizer:

“Queremos ouvir as pessoas, o funcionário do Estado, o colaborador duma empresa pública, o funcionário duma autarquia, o empresário que se relaciona com o Estado, o cidadão comum que procura serviços públicos, do estudante ao pensionista. Acreditamos que as pessoas podem dar ideias e definir ações importantes para que se possa fazer melhor com redução da despesa, sem prejudicar a qualidade do serviço prestado”.

O intuito deste projeto foi sempre, aparentemente, de funcionar como “um instrumento de monitorização”. Podemos assumir assim que já ninguém nos está a ouvir – mas também acredito, que todos nós, já sabíamos isso.

Cortar Despesas

Podemos também assumir que o governo acredita que o seu trabalho já se pode dar como terminado, não existindo mais sugestões possíveis por parte do publico. O aspecto mais preocupante é que afinal os sépticos tinham razão – os alemães estão mesmo a tomar conta de tudo, inclusivo de sites que pertencem (pertenciam) ao governo e que dizem respeito ao corto de despesas.

Lassen Sie uns alle Schnitt Aufwendungen oder sonst…

Write a Comment

Comment