in Lab

Samsung Galaxy SIII

Sim é verdade, o suposto Apple Fan Boy, trocou o seu iPhone 4 pelo novo Galaxy SIII – pelo menos durante as próximas duas semanas. Já em Fevereiro deste ano, fiz o mesmo, mas com o Windows Phone e pode ler aqui o resultado:

Hoje Substitui o Meu iPhone 4 Por Um Windows Phone, Após 5 Anos de iOS
Windows Phone – o Veredicto Final, e já agora

Por Favor Acabem Com a Utilização de Apple Fan Boy e Android Fan Boy – é Ridículo

Fui a semana passada, contactado pela simpática e muito eficiente Joana Cardoso, da Lift Consulting, que coordena o circuito de testes para a Samsung. Após dois emails, tinha o novo Samsung Galaxy SIII no meu escritório.

Para quem me conhece, sabe que eu não vou fazer um review do equipamento com base nas suas características técnicas pois o que me interessa é qual a experiência de um utilizador normal – aquele consumidor que está indeciso na escolha do seu próximo smartphone, e neste momento, a escolhe é tão simples como complexa.

Para todos os efeitos, ainda só existem duas alternativas para o mercado massificado – iOS ou Android. O Windows Mobile/Metro/Phone ainda está na sua fase inicial de entrada no mercado. RIM… Quem? O quê?

O mais difícil neste processo de imparcialidade é de esquecer tudo o que sei sobre patentes, processos judiciais, marketing e experiência com o iOS para tentar ser o mais imparcial possível na minha avaliação. Mas como adoro a ideia que, o problema muitas vezes não é o que não sabemos mas sim o que acreditamos saber, este será certamente parte do desafio – o que é que um consumidor normal pensa.

Quando recebi a caixa, tive um momento de dejà vu – oops, eu prometi… Adiante. Ao abrir a caixa, o meu primeiro pensamento foi – gigante. O Samsung Galaxy S III é gigante, provavelmente porque não tinha um Note ao lado. O primeiro teste foi pratico e composto por duas experiências – uma coloquei o S III perto  do meu ouvido e não me senti ridículo. Ótimo.

Segundo teste, coloquei-o no meu bolso das calças – passou. Cabe perfeitamente e ainda tenho espaço para os recibos, caneta, moedas e tudo o resto que vou acumulando durante o dia.

De imediato o tamanho tornou-se uma mais valia. Não era desajeitado, incomodo ou embaraçoso – era grande, com espaço para mais, muito mais. Fico só com uma dúvida. Como ando sempre com o meu iPhone no meu bolso traseiro, mesmo quendo me sento, fiquei com a sensação que o S III, especialmente o ecrã, possa não resistir a esta rotina. Um à parte… crio sempre uma rotina com aquilo que não posso perder – smartphone, chaves e carteira. No momento que desviar da minha rotina, sinto sempre a ausência de algo, algo que fez com que nunca perdesse algo importante.

Como vou ficar com o S III durante duas semanas para depois devolve-lo (disclaimer), prefiro não ser aquele que o entrega em duas partes, até porque assumo que quem o me emprestou, não ficou com a ideia que iria testar a durabilidade ou resistência do dispositivo.

Abri a tampa de trás, para colocar o SIM card do meu telemóvel secundário. Mas como o iPhone, o S III utiliza o micro SIM card. Assim a experiência torna-se ainda mais real. Quando testei o Windows Phone, o meu micro SIM card do iPhone não deu por isso optei por testá-lo com o meu telemóvel secundário que utilizo para as reservas do Silk – sim é comigo que falam.

Mas como é que iria sincronizar os meus dados através de duas plataformas – iOS e Android? Google ajudou, de várias formas. Primeiro na pesquisa “how to move my data from iPhone to Android” e depois no próprio processo.

Quem diria – é simples. Fui ao iTunes, liguei o meu iPhone 4 e no tab Info, escolhi a opção “Sync Contacts” e “Sync Google Contacts” – está feito. Para passar as fotografias, música e vídeos, simplesmente copia o conteúdo para o cartão de memoria do S III.

Mas o calendário parece ser mais complicado, pelo menos para mim. Não pelo S III, pois sincroniza com a sua conta Gmail, mas pela minha configuração. Utilizo Outlook e o Microsoft Office 2011 para o Mac, não sincroniza nem com o Google Calendar nem com com iTunes. O meu work around, é sincronizar o Outlook com o iCal e o iCal com a minha conta – parece-me um pouco aldrabado mas se alguém souber como o fazer.

Fiquei com todos os meus contactos duplicados – erro meu, burro, pois já estava a sincronizar através do iCloud. Não devia existir uma função que pergunta se queremos mesmo ter todos os contactos duplicados?. O que vale é que esta não é a primeira vez. Utilizo o app Contact Cleaner para resolver este temporary setback, que nada tem a ver com a experiência.

Com toda a informação que necessito no Samsung Galaxy S III, em menos de meia hora e com pouco esforço, liguei o smartphone ao wireless e descarreguei as apps que mais utilizo – Facebook, FB Messenger, Evernote, Foursquare, Shazam, Instagram e Dropbox – acho que já vinha instalado. Por questões de segurança, ou paranoia, não descarreguei o app do Millennium BCP pois vou entregar o smartphone no fim das 2 semanas – assumo mesmo como paranoia.

Agora são duas semanas a testar o S III como utilizador. Até agora tudo bem, muito bem. Na cama com o Samsung Galaxy S III? Mais ou menos – a maioria coloca o seu smartphone na mesa da cabeceira à noite, o mais perto que a tecnologia chega à minha cama.

Write a Comment

Comment