in Eventos

Para uma empresa que supostamente perdeu a sua vertente de inovação, este foi mais um evento da Apple que certamente deixou a concorrência com alguma ansiedade, especialmente para a Microsoft que está prestes apostar o seu futuro num sistema operativo novo.

Se por um lado a Apple começa a demostrar alguma humildade na sua forma de estar no mercado, como vimos no primeiro pedido de desculpas oficial de um CEO da Apple, por outro, a empresa não tem medo de assumir posições um pouco controversas – o evento ontem foi streamed live só para quem tem Safari instalado, sendo que Safari já não está disponível para Windows.

Acho também curioso o que se passa com a imprensa e os supostos profissionais que opinam online sem a mínima preocupação da sua própria hipocrisia. Farhad Manjoo, que escreve para o site Slate, que escreveu antes do lançamento do iPhone 5:

“And yet the iPhone sure has become boring, hasn’t it? I find it difficult to get worked up, anymore, about Apple’s signature mobile device. Last month, I yawned through the company’s announcements at its developer conference. “

E depois do lançamento do iPhone 5, que aparentemente “não inovou em nada”:

“Hold Apple’s latest gadget for just a few minutes and you’ll marvel at the existence of such a remarkable object.”

Mas outros não são muito melhores: Joe Wilcox que escreveu para BetaNews, antes do lançamento, “You Can Forget iPad Mini”. O que vale é que ninguém quer saber.

E até a Forbes parece ter alguns “estagiários” a escrever para eles – Larry Magid (“I’m both a tech journalist and an Internet safety advocate.”)

“…but let’s not get too excited about Apple once again catching up with its competitors.”

Catching up? Não foi a Apple que criou e domina o mercado dos tablets? Mas há mais:

“I’m predicting a snooze fest not because of lack of interest in the product or lack of theatrics during the announcement but because I’d be very surprised if we see anything incredibly revolutionary relative to what we’ve seen in other tablet announcements.”

Incredibly revolutionary? Apple vendeu 100 milhões de iPads num período de 2 anos e meio. Pode não ser incrivelmente revolucionário, mas pelo menos eu, acho incrível uma empresa conseguir este nível de vendas, especialmente tendo em conta a margem em cada unidade vendida.

Há uma área em que a Apple parece não ter a minimia ideia como vencer – the Cloud. Ontem, Jon Mitchell escreveu um excelente artigo no ReadWrite, “Cupertino We have a Problem”, em que descreve os problemas relacionados com a Apple e as suas tentativas em acertar na sincronização. Nunca o conseguiram fazer, bem.

Primeiro com iTools em 2000, depois .Mac em 2002 e finalmente MobileMe em 2008 – todos morreram uma morte lenta. Agora temos iCloud e depois de ler este artigo, senti-me novamente inteligente, é que eu também não consigo sincronizar tudo e fiquei com contactos duplicados, 20 calendários diferentes e nem me arrisco a colocar os meus documentos lá.

Por isso quando Tim Cook anunciou que existiam (só) 125 milhões de documentos na iCloud, pareceu-me que afinal não sou só eu que desatino com a nuvem da Apple – é que com mais de 200 milhões de dispositivos com iOS 6, é fácil guardar um documento no iCloud sem querer – eu já o fiz, e bem posso olhar para o céu para ver se volta ou não.

No que concerne ao evento, penso que o press release enviado logo a seguir ao evento, tem toda a informação dos lançamentos. A parte mais interessante para mim, foi a novidade do Fusion Drive, que para aqueles que acham que a Apple tem estagnado, vejam bem para onde caminhamos a nível de utilização de memoria e velocidade de acesso a dados.

Num mundo que caminha cada vez mais para Big Data, esta novidade é muito bem vinda e demonstra que a Apple está constantemente a melhorar a sua gama de dispositivos, adaptando-se às constantes mudanças no mercado. Se quiser dizer mal, pode sempre falar no maps, que continua pobre, mas como Tim Cook disse, existem alternativas.

[youtube width=”602″ height=”350″ video_id=”1YnYKv9EeZs”]

[toggle title=”Press Release da Apple” state=”closed”](via Frederico Rocha da EDC):

SAN JOSE, Califórnia — 23 de Outubro, 2012— A Apple revelou hoje um novo iMac, com um design deslumbrante, um ecrã fantástico com baixos reflexos e processadores mais rápidos*. Com a terceira geração dos processadores Quad-core da Intel, poderosos gráficos da NVIDIA e uma nova opção de armazenamento chamada Fusion Drive, o novo iMac é o desktop mais avançado que a Apple concebeu.

“Com um design deslumbrante, um ecrã fantástico e uma performance superior, tornámos o computador de secretária all-in-one ainda melhor em todos os aspetos”, disse Philip Schiller, senior vice president of Worldwide Marketing da Apple. “O novo iMac é incrivelmente fino, mas é um desktop inovador, que conta com um desempenho invejável e com muita tecnologia”.

Redesenhado por dentro e por fora, o novo iMac assegura uma tecnologia de elevada performance numa carcaça de alumínio e vidro com até menos 40 por cento de volume quando comparado com o seu predecessor, tendo no seu ponto mais fino a espessura de apenas 5 mm. Construído com um nível sem precedentes de ajustes e acabamentos, o novo iMac proporciona uma experiência de desktop surpreendente e revela um design apaixonante. O novo iMac tem ainda um ecrã completamente redesenhado que reduz o reflexo até 75 por cento, mantendo as cores brilhantes e os níveis de contraste. No novo design, o vidro de proteção é completamente laminado no LCD e um revestimento antirreflexo é aplicado usando um processo de deposição de plasma de alta precisão. Cada um dos ecrãs do iMac é individualmente calibrado usando um espetro-radiómetro avançado.

O novo iMac conta com processadores Intel Core i5 de terceira geração, que podem ser atualizados para modelos Core i7. Os mais recentes processadores NVIDIA GeForce asseguram até 60 por cento de aumento de performance para uma jogabilidade avançada e aplicações com elevadas necessidades gráficas. Cada iMac é vendido com 8 GB de memória a 1600 MHz e um disco rígido com 1 TB, e os clientes podem escolher a configuração do seu iMac, optando por 32 GB de memória e um novo disco de 3 TB, ou 768 GB de armazenamento flash para um desempenho ainda superior. Com duas Thunderbolt e quarto portas USB 3.0, o novo iMac assegura maior expansibilidade e suporte para periféricos de elevada performance.

O Fusion Drive é uma nova e inovadora opção de armazenamento que garante aos clientes a performance de armazenamento flash e a capacidade de um disco rígido. Combina 128 GB de memória flash com um disco normal de 1 TB ou de 3 TB para criar um único volume de armazenamento que gere de forma inteligente os ficheiros e que otimiza a performance de leitura e de escrita. O Fusion Drive adapta-se à forma como o iMac é usado e move de forma automática os ficheiros e as aplicações que a que o utilizador mais recorre para dentro da memória flash, para que o desempenho seja superior e o acesso mais rápido.

A Apple também atualizou o Mac mini com processadores dual core Intel Core i5 e quad core Intel Core i7, duas vezes mais rápidos e com gráficos integrados, capazes de um processamento até 65 por cento mais rápido.** O Mac mini tem 4 GB de memória a 1600 MHz e suporta até 16 GB de memória. Mantendo o seu fantástico design compacto de alumínio, o Mac míni inclui agora quatro portas USB 3.0 em adição às portas Thunderbolt, HDMI, SDXC, Gigabit Ethernet, e FireWire 800.

Tanto o iMac como o Mac mini cumprem os requisitos de Energy Star 5.2 e atingem o rating EPEAT Gold.*** O iMac usa até 50 por cento menos energia que a anterior geração de computadores quando em modo sleep e conta com um ecrã com retroiluminação LED sem mercúrio e fabricados com vidro sem arsénico. O Mac míni mantém o status de computador de secretária mais eficiente do mundo, usando apenas 11 W quando em modo inativo. Tanto o iMac como o Mac mini incluem componentes e cabos sem PVC, não têm quaisquer retardadores de chama brumados e usam materiais altamente recicláveis e embalagens com designs eficientes que promovem o correto uso de materiais.

O iMac e o Mac mini são vendidos com o OS X Mountain Lion, e traz o Messages, Notification Center, Sharing para todo o sistema, AirPlay Mirroring, Dictation, Game Center e a segurança melhorada do Gatekeeper para o seu Mac. Com o iCloud integrado na raiz do OS X, o Mountain Lion faz com que a manutenção dos seus conteúdos actualizados pelos seus Mac, iPhone, iPad e iPod touch seja mais fácil que nunca.

Preços e disponibilidade

O iMac de 21,5 polegadas está disponível com um processador quad core Intel Core i5 de 2.7 GHz com Turbo Boost com velocidades até 3.2 GHz e com uma NVIDIA GeForce GT 640M por um preço recomendado de 1399 euros incluindo IVA (1136,40 euros excluindo IVA); e com um processador quad core Intel Core i5 de 2.9 GHz com Turbo Boost com velocidades até 3.6 GHz, com uma NVIDIA GeForce GT 650M por um preço de venda ao público recomendado de 1599 euros incluindo IVA (1300 euros excluindo IVA). O iMac de 21.5” vai estar disponível em Novembro através da Apple Online Store (www.apple.com/pt) e Revendedores Apple Autorizados.

O iMac de 27” está disponível com um processador quad core Intel Core i5 de 2.9 GHz com Turbo Boost com velocidades até 3.6 GHz e com uma NVIDIA GeForce GTX 660M por um preço de venda ao público recomendado de 1949 euros incluindo IVA (1584,55 euros excluindo IVA); Há uma configuração com um processador quad core Intel Core i5 de 3.2 GHz com Turbo Boost e velocidades até 3.6 GHz com uma NVIDIA GeForce GTX 675MX por um preço de venda recomendado de 2129 euros incluindo IVA (1730,89 euros excluindo IVA). O iMac de 27” vai estar disponível em Dezembro através da Apple Online Store (www.apple.com/pt), e Revendedores Apple Autorizados.

O Mac mini é disponibilizado com um processador dual core Intel Core i5 de 2.5 GHz com Turbo Boost com velocidades até 3.1 GHz, 4 GB de memória e um disco rígido de 500 GB por um preço de venda ao público recomendado de 659 euros incluindo IVA (535,77 euros excluindo IVA); Está disponível uma versão com um processador quad core Intel Core i7 de 2.3 GHz com Turbo Boost com velocidades até 3.3 GHz, 4 GB de memória e um disco rígido de 1 TB por um preço de venda ao público recomendado de 859 euros incluindo IVA (698,37 euros excluindo IVA); Existe uma outra versão com um processador quad core Intel Core i7 de 2.3 GHz  com Turbo Boost e velocidades até 3.3 GHz, OS X Server, 4GB de memória e dois discos de 1 TB por um preço de venda ao público recomendado de 859 euros incluindo IVA (698,37 euros excluindo IVA). O Mac mini já está disponível através da Apple Online Store (www.apple.com/pt), e Revendedores Apple Autorizados.[/toggle]

Write a Comment

Comment