in Saúde

Eu lembro-me de ver o meu pai a ler uma enciclopédia de saúde, cada vez que alguém em casa tinha sintomas fora do normal. Lembro-me também de estranhar que quase todos os sintomas revelavam, no livro, uma doença terrível ou até incurável.

Na era digital, estamos mais e melhor informados? Depende. É que a qualidade das respostas está sempre indexada à qualidade da pergunta, especialmente quando utilizamos motores de busca como o Google.

Num recente estudo da Pearl.com, um portal que liga utilizadores a médicos, advogados e outros profissionais, para receberem conselhos, 63% dos mil Americanos inqueridos, revelaram que acreditam mais em encontrar respostas sobre questões de saúde online do que se perguntarem a um médico numa consulta física.

Onde se compreende mais a utilização da Web para pesquisas sobre saúde é em assuntos relacionados com questões pessoais – sexo, doenças transmitidas sexualmente, questões relacionadas com peso ou até questões relacionadas com o abuso de substâncias menos legais.

Mas nos Estados Unidos, que tem um sistema de saúde publica muito diferente da nossa, utilizadores revelaram que utilizam a Web não só para pesquisar sobre questões pessoais. 24% não têm seguro de saúde, 18% têm medo que a sua pergunta afecte o seu seguro de saúde, 19% não querem ou não podem ter esse custo e 13% preferem viver na ignorância, pois têm medo que o medico possa diagnosticar outra doença que desconhecem ter. Viva a Web!

Uma das áreas com maior crescimento online e em especifico, na utilização de social media, é o sector de saúde, com a maioria dos hospitais a registarem uma maior presença online, maior transparência (supostamente) e uma maior eficiência na sua gestão. Alguns até já utilizaram o Twitter durante uma operação, com tweets a cada momento critico.

Em Portugal, a presença online dos hospitais limita-se a uma página na Web e pouco mais, mas podemos assumir que mais tarde ou mais cedo, os hospitais privados vão se aperceber que os seus clientes querem mais – transparência e serviços com valor acrescido, tal como marcações online.

Mas se por acaso decidir diagnosticar os seus sintomas utilizando a Web, deverá ter o seguinte em consideração:

  1. As opiniões não são reguladas
  2. As respostas normalmente são um reflexo da pergunta – como é colocada
  3. Deverá sempre ler em contexto – o site, a audiência
  4. Um auto intitulado expert de saúde poderá bem ser o oposto
  5. Não acredite em tudo que lê
  6. Não procure validar o seu lado optimista
  7. Não partilhe demasiada informação pessoal – melhor mesmo ser anónimo

Convêm não esquecer que toda a informação que recolhe não substitui a ida a uma consulta com um verdadeiro médico – físico e não virtual. Quem diria?

[button url=”http://tmudou.wpengine.com/wp-content/uploads/2013/01/PearlInfographic.jpg” target=”_blank” style=”green” size=”e.g. medum”] Ver Original [/button]

Pearl Infographic

 

Write a Comment

Comment