in Google

Uma das vantagens de ter uma reserva de cash equivalente ao PIB de muitos países, é que a estratégia a seguir não tem que ser pensada a curto prazo. Google está a demonstrar isso no decorrer da sua conferencia anual Google IO.

Ontem foi o primeiro dia e ao ver o keynote de 3 horas, senti que o natal tinha chegado mais cedo este ano – inúmeras novidades que demonstram que Google + aproxima-se do ponto de viragem – aquele momento em que acreditamos exisitir uma alternativa viável ao Facebook.

Google Play

Google play, o mercado do ecossistema Android, tem apenas um ano de existência, mas já conta com 48 mil milhões de downloads (2.5 mil milhões no ultimo mês) e com este crescimento, arrisca-se a dominar o segmento mobile, colocando a Apple novamente como um nicho.

As novidades foram várias para quem cria apps e aposta no Android. Agora, os utilizadores vão conseguir desafiar outros a competirem em tempo real, nos diversos jogos que suportam esta funcionalidade, criando uma plataforma onde múltiplos gamers podem competir uns contra outros, sem se quer os conhecerem, ou até estarem no mesmo continente.

Google Play Music All Access

Google Play Music All Access é o novo serviço de música com base numa subscrição mensal, com acesso a milhões de músicas em todas os dispositivos com Android. Este serviço não é inovador mas é agora mais uma peça no ecossistema da Google, com possibilidade de criar listas, estações de rádio, e até misturar as músicas online com as suas – 20,000 músicas suas para ser preciso. O preço é $9.99 por mês, ou $7.99 se subscrever antes do dia 30 de Junho.

Google +

Muitas vezes quando se compara o Google + com a força do Facebook, esquecemos que a rede social da Google não tem mais que dois anos de existência – 190 milhões de utilizadores ativos no Google + stream e 390 milhões que utilizam as ferramentas proporcionadas pelo Google + – telefonemas no Gmail, partilha de vídeos no YouTube e utilização da funcionalidade Google +, o seu equivalente de “like”. Os números em si podem não ser grande coisa comparados com os mais de mil milhões de utilizadores no Facebook, mas não devemos descorar as mudanças e melhorias que acontecem em ambas as plataformas. Google acabou por revelar novas funcionalidades em três áreas distintas: Stream, Hangout e Fotografias.

Stream

Google redesenhou a sua página do stream dado existirem agora uma diversidade de dispositivos no mercado, cada um com diferentes tamanhos e resoluções de ecrãs. No futuro, vão certamente existir ainda mais.

O novo design tem varias hipóteses de layout – um, dois ou três colunas dependendo no tamanho do ecrã. As fotografias e vídeos podem ou não ocupar toda a largura, tornando se fácil e agradável o visionamento do conteúdo. Cada área tem agora uma série de animações que melhoram a usabilidade com o intuito de manter o utilizador mais imerso no conteúdo.

O resultado final é extremamente agradável e mais fácil de utilizar, entrando em linha com a maioria de outras grandes plataformas que têm que mostrar um grande volume de media e dados mas de forma fácil para que o utilizador não desligue.

Não é só uma questão de ter o conteúdo alinhado andando de cima para baixo e vice versa. Agora, cada bloco de conteúdo pode virar mostrando conteúdo de outros que seja relevante. Clicando no hashtag, aprece outro conteúdo com a mesma etiqueta bem como outros hashtags semelhantes – a descoberta voltou às redes sociais. Uma forma fácil de aprofundar um tópico ou categoria especifica.

[youtube width=”602″ height=”350″ video_id=”vF5RovO5R8w”]

Hangouts

O sucesso dos serviços de comunicação (Skype, Messenger), sejam eles com chat, voz e/ou vídeo, demonstram a importância que o utilizador coloca na capacidade de um serviço proporcionar uma forma de manter nos todos interligados. Mas o utilizador não quer utilizar vários serviços consoante a plataforma em que se encontra, seja mobile ou desktop.

Comunicação em tempo real faz já parte do nosso quotidiano. Hangouts é um exemplo deste tipo de serviço mas que a maioria não utilizava, independentemente de ser gratuito e de ter uma enorme qualidade.

Uma novidade importante é Hangouts estar agora disponível no Android, iOS e no seu computador, criando assim um app para comunicarmos integrado em todos os diferentes dispositivos que utilizamos. Mas a app está verdadeiramente integrada, não duplicando avisos ou notificações em todos os dispositivos.

Para quem esteja logado com Google + , Hangouts aparece em praticamente todas as diferentes assets da Google, incluindo o Gmail. Este é mais um exemplo do que as empresas estão a fazer para que a tecnologia trabalhe para si e não o inverso – uma lição que Microsoft já devia ter aprendido há muito tempo.

Fotografias

Com o elevado numero de fotografias que são agora tiradas e partilhadas, é fácil de perdermos o controlo das mesmas. Antigamente, criávamos álbuns onde organizávamos as fotografias por data, época ou até umas férias. Mas com a era digital, veio o elevado numero de fotografias, muitas delas espalhadas por diferentes discos e/ou sites.

Google pretende agora com as suas novas funcionalidades retirar essa dor de cabeça a todos os fotógrafos amadores. E esta é a altura certa pois quando Glass chegar às mãos do consumidor, o numero de fotografias e vídeos vai aumentar substancialmente.

Uma das funcionalidades é o auto-backup (instant upload), que com a sua permissão, retira as fotografias do seu dispositivo para as armazenar na cloud. Nunca mais vai lhe faltar espaço. Com espaço ilimitado (tamanho de 2048px), nunca mais vai ter que se preocupar com o custo ou manutenção dos seus álbuns. Existem pacotes pagos caso queira manter as suas fotografias com o tamanho original.

Uma das funcionalidades que gostei mais foi a do auto highlight, uma forma de Google passar por todas as fotografias que tirou numa festa, de férias ou num congresso, e criar o álbum perfeito, retirando fotografias duplicadas, desfocadas ou de qualidade inferior, focando assim nas melhores fotografias.

Para melhorar ainda mais a qualidade das suas memorias, Google adicionou a funcionalidade Auto Enhance, que melhora o brilho, contrasto, saturação, estrutura e nitidez das suas fotografias, podendo voltar ao original a qualquer altura.

Colocando de parte a escolha do nome, Auto Awesome é a cereja no bolo, criando a melhor fotografia possível de algumas sequências de fotografias semelhantes tiradas a pessoas ou locais. Qual tem o sorriso? Onde estão todos a olhar para a câmara? 

Android Nas Escolas

Como todos sabem, a adolescência é a melhor altura para criar uma relação com uma marca, e Google está, como muitos outros, a investir nas escolas. Através da sua plataforma dedicada à educação e com os Nexus tablets, professores têm agora uma forma fácil e personalizado de gerir o ensino.

Professores podem agora gerir de forma central todos os tablets na aula, decidindo quais os níveis a que cada aluno deve e pode estar.

Developers

Outras novidades incluem o desenvolvimento de ferramentas para que os apps possam utilizar a localização do utilizador para sugerir ofertas, descontos, mostrar publicidade localizada mas com uma maior relevância – algo que certamente irá aumentar a conversão.

Google já traz um maior nível de relevância ao utilizador através do seu serviço Google Now, um sistema de “cartões” que utilizam a informação disponibilizada pelo utilizador para ajudar no seu dia-a-dia. Se der acesso ao seu gmail, docs, etc, vai ter mais e melhor informação. Isto se não tiver grandes preocupações com questões de privacidade.

Uma das nova funcionalidades permite aos developers utilizarem dados que identificam se o utilizador está andar a pé, de carro ou de bicicleta sem que utilize o sensor GPS que tipicamente drena a bateria do smartphone. Este novo sistema que reconhece atividade em curso, permite através de um algoritmo, e com tempo, reconhecer se está preso no transito ou se está simplesmente a passear a pé.

Através de geofences, áreas pré definidas num mapa (ex. centro comercial), notificações podem ser enviadas quando alguém entra na área ou muda de local, criando até 100 pontos de ativação com base na localização. Num futuro, o utilizador poderá criar um geofence à volta da sua casa ou trabalho, programando vários pontos de ativação – ao sair de casa, esqueceu-se das chaves do trabalho? Dos filhos? Leva o computador?

O Futuro

A conferência acabou por demonstrar a outros key players o nível de exigência do mercado e não é suficiente ser líder neste momento, pois o futuro vai pertencer a quem inova de forma constante, para melhorar a vida do utilizador. Espero que o mundo não seja somente Google mas se tiver que ser só uma empresa, que seja Google.

Write a Comment

Comment