in iPhone

Tim Cook, CEO da Apple, decidiu utilizar a sua conta relativamente nova de Twitter para comemorar o segundo aniversário da morte de Steve Jobs. O seu tweet demonstra, quer a relação que existia entre eles, quer a diferença em liderança de Tim Cook.

Tweet Tim Cook

Além do tweet, Tim também enviou uma comunicação à sua equipa:

Team-

Tomorrow marks the second anniversary of Steve’s death. I hope everyone will reflect on what he meant to all of us and to the world. Steve was an amazing human being and left the world a better place. I think of him often and find enormous strength in memories of his friendship, vision and leadership.

He left behind a company that only he could have built and his spirit will forever be the foundation of Apple. We will continue to honor his memory by dedicating ourselves to the work he loved so much. There is no higher tribute to his memory. I know that he would be proud of all of you.

Best,
Tim

Steve Jobs fez questão de procurar, atempadamente, o seu sucessor e foi em Tim Cook que encontrou a sua alma gémea, isto é, aquele que teria a capacidade de manter a Apple focada num caminho que fora traçado há 16 anos atrás, altura na qual Steve voltou para a Apple.

O Primeiro iPhone

O lançamento do primeiro iPhone tornou-se, indubitavelmente, no ponto de viragem da evolução do telemóvel, a qual tinham mantido o mesmo nível de utilidade até ao dia 29 de Junho 2007.

The New York Times apresenta um artigo interessante sobre o stress de quem, durante 2 anos, esteve envolvido no desenvolvimento do iPhone, 7 dias por semana. O excerto que a seguir se apresenta é do próximo livro do jornalista Fred Vogelstein intitulado Dogfight: How Apple and Google Went to War and Started a Revolution.

Andy Grignon é um dos principais engenheiros que esteve diretamente envolvido no projeto, especializado na vertente de rádios, ou seja, tudo o que se relacionasse com comunicação – 3G, WI-FI, Wireless, etc. O livro inclui, igualmente, Tony Fadell (fundador da Nest) e Scott Forstall, que foi “convidado a sair” da Apple, supostamente devido ao iOS 6 e Maps.

IT WAS VERY DRAMATIC.”

Grignon fala sobre esses dois anos que o deixaram emocionalmente exausto e com mais 23 quilos:

“It was very dramatic… It had been drilled into everyone’s head that this was the next big thing to come out of Apple. So you put all these supersmart people with huge egos into very tight, confined quarters, with that kind of pressure, and crazy stuff starts to happen.”

Grignon fala sobre o dia do lançamento, o culminar de uma semana de ensaios da apresentação que Steve Jobs exigiu que fosse uma demonstração ao vivo, algo que todas as empresas de novas tecnologias sempre evitaram fazer. Nesses ensaios, o iPhone perdia sinal e crashava, sendo necessário programar a barra de sinal sempre no máximo, independentemente de existir sinal ou não.

No fim, e $150 milhões investidos neste novo projeto, correu tudo bem criando um produto que não só ajudou a empresa a chegar ao ponto onde factura $ 30 mil milhões de USD por trimestre, como também tem, neste momento, 10% de todo o cash empresarial dos Estados Unidos.

In The New York Times, Verge e 9to5 Mac

Write a Comment

Comment