in Gestão de Crise

Brendan Eich, até ontem o CEO da Mozilla Corporation (Firefox), acabou por demitir-se pela sua posição pessoal em favor da legislação anti-gay marriage na California – Propostion 8. Um donativo de $ 1,000 USD em 2008 que lhe custou milhões em 2014.

Este caso demonstra a importância da nossa reputação online, quer profissional, quer privada/pessoal mas também realça algo de igual relevância – o poder da comunidade.

Mas podemos analisar outro caso semelhante, que também reporta a 2008, mas que teve um resultado diferente. Em Janeiro de 2008, Bob Lutz, Vice Chairman da General Motors, chocou os jornalistas a declarar que:

Global warming is a total crock of shit” e que veículos híbridos como o da Toyota (Prius) “make no economic sense”.

Com uma única frase, num almoço descontraído com jornalistas, Lutz colocou inconscientemente a sua cabeça a prémio. Mas uma crise que para muitos sinalizaria o fim de uma carreira brilhante, para Lutz, não passou de mais um desabafo entre tantos outros.

Mas Lutz superou este episódio dado que:

  1. Presença online: Lutz foi um dos primeiros, se não o primeiro, executivo a interagir com os seus clientes, potenciais clientes e curiosos através do seu blog, desmistificando a industria automotiva. Criou assim uma legião de seguidores que o aplaudem nos momentos altos, apoiando-o nos seus momentos menos felizes;
  2. Global warming é um tópico de preocupação mas a nível global. Gay marriage é algo muito mais pessoal e por defeito emocional – quem sente, “sente na pele”;
  3. Lutz justificou-se “I’m a skeptic, not a denier” retirando-se do argumento que ele estaria a negar a existência de alterações climatéricas, virando o argumento para os interesses de cada lado do argumento;
  4. Lutz mudou o rumo da conversa novamente para o lado emocional “you’ve got to look at the business artistically, too” e “That’s why (auto-industry) comeback stories are always design-driven.” O foco dele foi sempre design.

Voltando ao caso da Mozilla, Brendan Eich, bem como a maioria de políticos, não se apercebeu que aqueles $ 1,000 USD iriam mais tarde voltar e assombra-lo. Mesmo em 2008, Eich já deveria se ter apercebido que tudo ficaria registado para uma posterior analise e cada passo que dava, mesmo que relevante na altura, poderia bem ser prejudicial num futuro.

A Mozilla Corporation demonstrou um nível de ingenuidade ao pensar que ninguém iria fazer a ligação do passado com o presente, especialmente numa altura em que o tema gay marriage se debate como nunca antes, forçada a pedir desculpa publicamente demonstrando uma fraqueza de direção, algo que irá certamente levar algum tempo a recuperar.

“Mozilla prides itself on being held to a different standard and, this past week, we didn’t live up to it. We know why people are hurt and angry, and they are right: it’s because we haven’t stayed true to ourselves,” read the post, in part. “We didn’t act like you’d expect Mozilla to act. We didn’t move fast enough to engage with people once the controversy started. We’re sorry. We must do better.”

Mas o seu maior erro foi deixar Eich enfrentar todas as repercussões sozinho, onde só teria duas alternativas, demitir-se ou lutar. Sozinho, a posição mais segura seria sempre de tentar navegar a tempestade. Mas não esta. Qualquer uma menos esta.

“So I don’t want to talk about my personal beliefs because I kept them out of Mozilla all these 15 years we’ve been going,” e “I don’t believe they’re relevant.”

Mas na ausência de uma presença online, tal como Lutz, ninguém conhece Eich fora do ambiente profissional – para todos os efeitos, aqui está um homem a cavar o seu próprio buraco. Relevância acabou por ser tudo.

A lição ficou clara através das palavras de Mitchell Baker, Executive Chairwoman da Mozilla:

“It’s clear that Brendan cannot lead Mozilla in this setting,” acrescentando que “The ability to lead — particularly for the CEO — is fundamental to the role and that is not possible here.”

Uma mensagem para todos os CEOs e líderes, especialmente para aqueles que estão à frente de um startup – olhem bem para o que escrevem e partilham. Escusado dizer que gay marriage, gender equality, religião, política e reality shows são todos tópicos a evitar a qualquer custo. Mas existem mais. Basta só ver as crises mais recentes.

Bob Parsons CEO GoDaddy

Bob Parsons CEO GoDaddy

Mozilla responde através do seu blogue:

Brendan Eich Steps Down as Mozilla CEO

Mozilla prides itself on being held to a different standard and, this past week, we didn’t live up to it. We know why people are hurt and angry, and they are right: it’s because we haven’t stayed true to ourselves.

We didn’t act like you’d expect Mozilla to act. We didn’t move fast enough to engage with people once the controversy started. We’re sorry. We must do better.

Brendan Eich has chosen to step down from his role as CEO. He’s made this decision for Mozilla and our community.

Mozilla believes both in equality and freedom of speech. Equality is necessary for meaningful speech. And you need free speech to fight for equality. Figuring out how to stand for both at the same time can be hard.

Our organizational culture reflects diversity and inclusiveness. We welcome contributions from everyone regardless of age, culture, ethnicity, gender, gender-identity, language, race, sexual orientation, geographical location and religious views. Mozilla supports equality for all.

We have employees with a wide diversity of views. Our culture of openness extends to encouraging staff and community to share their beliefs and opinions in public. This is meant to distinguish Mozilla from most organizations and hold us to a higher standard. But this time we failed to listen, to engage, and to be guided by our community.

While painful, the events of the last week show exactly why we need the web. So all of us can engage freely in the tough conversations we need to make the world better.

We need to put our focus back on protecting that Web. And doing so in a way that will make you proud to support Mozilla.

What’s next for Mozilla’s leadership is still being discussed. We want to be open about where we are in deciding the future of the organization and will have more information next week. However, our mission will always be to make the Web more open so that humanity is stronger, more inclusive and more just: that’s what it means to protect the open Web.

We will emerge from this with a renewed understanding and humility — our large, global, and diverse community is what makes Mozilla special, and what will help us fulfill our mission. We are stronger with you involved.

Thank you for sticking with us.

Write a Comment

Comment