Serviços Secretos dos Estados Unidos Abdicam do Secretismo Para Lidar com Crise de PR

A semana passada, enquanto o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ocupava-se com os últimos detalhes da conferencia com os líderes de países da América Latina, os seus Serviços Secretos estava de igual forma ocupados, a reunirem-se com os responsáveis das equipas de segurança locais, a delinear uma estratégia de segurança e a contratar prostitutas para os entreter nos seus quartos do hotel.

Do Marketing-Mix à Comunicação: Hable Con Ella

Houve um tempo áureo da Indústria (da Revolução Industrial para trás) em que tudo o que púnhamos no mercado vendia automaticamente: não havia grande concorrência – o produtor era o próprio criador (ainda que pudesse expandir-se a ponto de ter na fábrica uma extensão de si, que amplificava a sua capacidade produtiva) – e o público comprava «porque sim».