YouClient

YouClient é um Site Português Semelhante ao Yelp Mas à Procura de “Fundadores”

YouClient destina-se à criação e classificação de spots, locais de interesse, onde cada utilizador pode descrever a sua experiência do local – ao contrario do Yelp que consiste de negócios locais, YouClient vai além dos negócios locais para incluir outras experiências tais como surf, golfe etc.

YouClient

Num dos fóruns onde falavam sobre sites de reviews vi um dos utilizadores falar sobre um site que desconhecia – o YouClient e fiquei curioso e claro, fui ver.

Provavelmente não será a forma como os fundadores descrevem o seu startup, mas parece-me que a forma mais fácil de o descrever é compará-lo ao Yelp. YouClient destina-se à criação e classificação de spots, locais de interesse, onde cada utilizador pode descrever a sua experiência do local – ao contrario do Yelp que consiste de negócios locais, YouClient vai além dos negócios locais para incluir outras experiências tais como surf, golfe etc. Pode assim ver uma pequena apresentação:

httpv://youtu.be/PGdBGcvl1cs

 

Mas ao navegar pelo site, encontrei duas questões que me fizeram pensar sobre o futuro do site (não necessariamente negativo) bem como a necessidade de serem mais transparentes.

Numa secção “O que é um fundador?”, os verdadeiros fundadores apresentam uma proposta a quem quiser se juntar a eles. O retorno é “5% da receita gerada pelo site no seu país”. Na realidade, como vão existir 500 fundadores, vai partilhar os 5% com mais 499 pessoas. Mas o que estava à espera? Até porque vai ter que pagar €20 para ser fundador. Com isto, os verdadeiros fundadores vão tentar angariar €10,000 para conseguirem avançar com o site – “crowdfunding” como lhe chamam e bem.

Mas fico com a impressão que teria sido melhor chamar-lhes outra coisa sendo que um fundador normalmente fica com uma percentagem da empresa e não simplesmente com retorno da empresa. Enquanto esta ideia parece até ser boa, têm algumas implicações. Acho que a maioria vai logo perguntar se os pagamentos são efectuados mensalmente, trimestralmente ou anualmente? Não gostaria de ter esta logística de pagar a todas estas pessoas com os necessários documentos – factura/recibo. Será que essas 500 pessoas têm recibos verdes ou outras formas de passar um documento legal como receberam esse valor?

Mas tudo ultrapassa-se. Para mim, o problema reside nas obrigações destes “fundadores”. Vão ter que obrigatoriamente criar 10 spots e 20 reviews nos primeiros 3 meses e depois 1 por mês.

Fundadores a fazerem reviews? Espero que venha com um “disclaimer”. Parece-me existir aqui um conflito de interesses. Ganham pelo sucesso do site, mas são obrigados a criarem reviews.

Provavelmente teria sido mais interessante separar os “fundadores” dos “embaixadores”. Ambos têm objectivos diferentes – os fundadores operam em “market norms”, um investimento com retorno financeiro (ou não) e os últimos em “social norms”, onde o seu desempenho online (reviews e criação de spots) é retribuído pela sua importância na rede. É impossível convivermos em simultâneo no market e social norms.

A segunda questão, muito nobre que seja, parece-me de igual forma algo que, muito simples que pareça agora, poderá ter implicações no negocio no futuro, isto se tiver o sucesso que os verdadeiros fundadores acreditam que possa ter.

É que o componente social, angariação de fundos para instituições de caridade, implica algo mais que passar um cheque às instituições. É de louvar um site querer doar, através do seu sucesso, 10% das receitas às instituições que são escolhidas pelos próprios utilizadores. Mas isso implica uma enorme transparência com toda a comunidade. Ou seja, todos vão querer ver quais as receitas do site.

Se por um lado é excelente ter um site com este nível de transparência, por outro vai dificultar futuras injeções de capital por parte de VCs, isto assumindo que o site não explode e começa a demonstrar uma enorme faturação que a torna um excelente investimento. Especulação é uma parte importante de funding. É claro que os VCs iriam sempre ter acesso ao números de qualquer forma, mas não sei se eles querem que o mercado saiba tudo sobre a empresa em que investem.

Não querendo acabar de forma negativa, o site está bem desenhado em termos de usabilidade e até o vídeo é bem claro, ficando os utilizadores a perceberem exatamente o que podem esperar. O futuro está mesmo na qualidade da informação que os utilizadores colocam bem como a frequência do mesmo.

Write first comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.